Recanto de Alberto Valença Lima
A mente que se abre a uma nova idéia, jamais voltará ao seu tamanho original. (Albert Einstein)
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


Tenho encontrado aqui no Recanto das Letras, pessoas que se apropriam indevidamente do texto de outros sem nenhuma cerimônia. Isso, além de deselegante, é crime! Pessoas que encontram um texto qualquer na internet ou onde quer que seja, e o assinam, como se tivesse sido sua criação! Algumas vezes, até pode ser por inocência ou desconhecimento mas, ainda têm o topete de colocarem no texto proteção da Licença Creative Commons que exige a citação do nome do pretenso autor em qualquer reprodução. Isto é crime grave!

Para exemplificar como fazer, vou tomar um texto que encontrei pelo menos umas 3 pessoas aqui no Recanto das Letras que o reproduziram.
O texto abaixo faz parte do inconsciente coletivo nacional. É de domínio público. Procurei em muitas fontes a autoria mas não encontrei. Reproduzo-o abaixo como de autoria desconhecida e, não terá proteção alguma para o mesmo. Qualquer pessoa, pode copiá-lo e reproduzi-lo à vontade.  Não precisa citar autoria, apenas que é de autoria desconhecida. Mas o texto não é meu!

A importância da pontuação
Autoria desconhecida
 
Um homem rico estava muito mal, agonizando. Pediu papel e caneta. Escreveu assim:

Deixo meus bens à minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do padeiro nada dou aos pobres.

Morreu antes de fazer a pontuação.

A quem ele deixava a fortuna? Eram quatro concorrentes:

1) O sobrinho fez a seguinte pontuação:
Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

2) A irmã chegou em seguida. Pontuou assim o escrito:

Deixo meus bens à minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

3) O padeiro pediu cópia do original. Puxou a brasa pra sardinha dele:
Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

4) Aí, chegaram os descamisados da cidade. Um deles, sabido, fez esta interpretação:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro? Nada! Dou aos pobres.

Notem que, dependendo de como se pontua o texto ele ganha significados completamente diferentes. Daí a grande importância da pontuação.

Um detalhe adicional que certamente enriquece o texto acima. É um texto encontrado no blog "Palavras rabiscadas" de Marli Savelli. Analisem a frase abaixo.

‘*SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA..’*

Se você for *mulher*, certamente colocou a vírgula depois de MULHER.
Se você for *homem*, colocou a vírgula depois de TEM.

Mas se fosse eu, Alberto Valença, não colocaria a vírgula onde Marli afirma que os homens colocariam pois, considero ser a mulher muito mais importante que o homem.

Quero acrescentar mais uma coisa: O escritor Paulo Kostella, era um dos que me referi que havia se apropriado de um texto que não era seu. Deixei lá um comentário alertando-o sobre o erro que estava cometendo e, sabiamente, o mesmo modificou a atribuição da autoria pelo que o parabenizo. Assim deviam proceder todos que estão nesta situação.

Domínio público
Enviado por Alberto Valença Lima em 10/04/2014
Alterado em 12/04/2014


Comentários

Caminhos de mim R$10,00
Caminhos de mim (Poesia) R$38,50
Poesia, Palavra é Arte R$30,00
Musas de um Recanto com Letras, Flores e Poes... R$10,00
UBE - 60 ANOS R$20,00
Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneo... R$35,00
Os mais belos poemas de amor - Edição especia... 40,00
Antologia "Poesias sem fronteiras" (Esgotado) R$20,00