Recanto de Alberto Valença Lima
A mente que se abre a uma nova idéia, jamais voltará ao seu tamanho original. (Albert Einstein)
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Links
Textos
Tenho encontrado aqui no Recanto das Letras, pessoas que se apropriam indevidamente do texto de outros sem nenhuma cerimônia. Isso, além de deselegante, é crime! Pessoas que encontram um texto qualquer na internet ou onde quer que seja, e o assinam, como se tivesse sido sua criação! Algumas vezes, até pode ser por inocência ou desconhecimento mas, ainda têm o topete de colocarem no texto proteção da Licença Creative Commons que exige a citação do nome do pretenso autor em qualquer reprodução. Isto é crime grave!

Para exemplificar como fazer, vou tomar um texto que encontrei pelo menos umas 3 pessoas aqui no Recanto das Letras que o reproduziram.
O texto abaixo faz parte do inconsciente coletivo nacional. É de domínio público. Procurei em muitas fontes a autoria mas não encontrei. Reproduzo-o abaixo como de autoria desconhecida e, não terá proteção alguma para o mesmo. Qualquer pessoa, pode copiá-lo e reproduzi-lo à vontade.  Não precisa citar autoria, apenas que é de autoria desconhecida. Mas o texto não é meu!

A importância da pontuação
Autoria desconhecida
 
Um homem rico estava muito mal, agonizando. Pediu papel e caneta. Escreveu assim:

Deixo meus bens à minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do padeiro nada dou aos pobres.

Morreu antes de fazer a pontuação.

A quem ele deixava a fortuna? Eram quatro concorrentes:

1) O sobrinho fez a seguinte pontuação:
Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

2) A irmã chegou em seguida. Pontuou assim o escrito:

Deixo meus bens à minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

3) O padeiro pediu cópia do original. Puxou a brasa pra sardinha dele:
Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

4) Aí, chegaram os descamisados da cidade. Um deles, sabido, fez esta interpretação:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro? Nada! Dou aos pobres.

Notem que, dependendo de como se pontua o texto ele ganha significados completamente diferentes. Daí a grande importância da pontuação.

Um detalhe adicional que certamente enriquece o texto acima. É um texto encontrado no blog "Palavras rabiscadas" de Marli Savelli. Analisem a frase abaixo.

‘*SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA..’*

Se você for *mulher*, certamente colocou a vírgula depois de MULHER.
Se você for *homem*, colocou a vírgula depois de TEM.

Mas se fosse eu, Alberto Valença, não colocaria a vírgula onde Marli afirma que os homens colocariam pois, considero ser a mulher muito mais importante que o homem.

Quero acrescentar mais uma coisa: O escritor Paulo Kostella, era um dos que me referi que havia se apropriado de um texto que não era seu. Deixei lá um comentário alertando-o sobre o erro que estava cometendo e, sabiamente, o mesmo modificou a atribuição da autoria pelo que o parabenizo. Assim deviam proceder todos que estão nesta situação.

Domínio público
Enviado por Alberto Valença Lima em 10/04/2014
Alterado em 12/04/2014
Comentários
Caminhos de mim R$10,00
Caminhos de mim (Poesia) R$38,50
Coletânea Ciranda Poetrix R$28,00
Poetrix - Antologia 6 - 20 anos R$29,50
Germinando palavras colhendo poesias - Ser po... R$23,50
Poesia, Palavra é Arte R$30,00
Musas de um Recanto com Letras, Flores e Poes... R$10,00
UBE - 60 ANOS R$20,00
Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneo... R$35,00
Antologia "Poesias sem fronteiras" (Esgotado) R$20,00
Os mais belos poemas de amor - Edição especia... R$40,00