Recanto de Alberto Valença Lima
A mente que se abre a uma nova idéia, jamais voltará ao seu tamanho original. (Albert Einstein)
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Meu Diário
09/10/2018 08h00
Acompanhante (EC)

Alan acordou naquela manhã com um tesão enorme. Excitado e sedento por uma mulher desde que sua esposa se fora na semana anterior após uma discussão.

Abriu seu notebook e acessou um site de anúncios de mulheres lindas locais. Olhou várias até se deparar com Amanda, uma morena linda, de 18 aninhos, com um corpo exuberante, e que se dizia bem safadinha e com local próprio para realizar todas as fantasias de quem a procurasse.

Alan pegou o telefone e ligou. Marcou para 17h. Ela estava ocupada naquele momento e não pode atendê-lo. Ele deixou recado e ela retornou uma hora depois, quando marcaram para aquele horário pois só então ela estaria disponível. Ele gostou dela e por isso aceitou esperar. Não queria escolher outra. Estava decidido.

No horário marcado ele chegou lá no endereço fornecido, em Boa Viagem. Ela o atendeu com um vestidinho bem curto e os cabelos soltos. Muito cheirosa. Ele entrou e achou algo estranho na postura dela. Desconfiou e perguntou: você é mulher mesmo? Ela respondeu mostrando seu corpo de cima a baixo: o que você acha? Ele, ainda meio desconfiado, falou: é, parece que sim. Mas, quando entrou e ela fechou a porta, dois brutamontes sairam de dentro do quarto e agarraram Alan. Roubaram todos os seus pertences, deram nele uma surra grande, deixando-o desacordado. 

Quando ele acordou, estava nu, num matagal, no meio de muito lixo, num local totalmente escuro e deserto e com o corpo todo dolorido. Atordoado, tentou socorro por umas cinco horas ou mais, sem êxito. Só no dia seguinte, após amanhecer, que encontrou um caminhoneiro que lhe acolheu e o levou para uma delegacia, oferecendo-lhe uma capa para cobrir sua nudez. 

Alan descobriu que estava em Atapuz, uma cidadezinha próxima de Goiana em Pernambuco, distante cerca de 60km de Recife.

E o tesão de Alan foi pra o beleléu.

 

*******

 

Este texto faz parte do Exercício Criativo - Dama de Companhia
Saiba mais, conheça os outros textos:
http://encantodasletras.50webs.com/damadecompanhia.htm

Publicado por Alberto Valença Lima
em 09/10/2018 às 08h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
24/09/2018 15h20
Para meu pai aos 80 anos

Para meu pai aos 80 anos

Papai, fui incumbido, como o filho mais velho, de dizer a você, algumas palavras hoje em nome de todos os seus filhos. É, sem dúvida uma honra tal encargo. Não poderia passar sem algum registro esta data tão significativa. Afinal, não é todo mundo que tem o privilégio de completar 80 anos.

Tomei então a liberdade, de falar com cada um, e pedir que me dissessem algo que seria importante ser dito nesta ocasião. Por derradeiro, se vou falar em nome de todos, tenho o dever de representar, e traduzir para você, o que cada um de nós gostaria de dizer se estivesse aqui no meu lugar. E foi engraçado, como na quase unanimidade, falou-se no seu exemplo e na educação que você, apesar das dificuldades, nos ofereceu. Temos, todos nós hoje, uma personalidade e um caráter invejáveis. Em todo canto que chegamos, qualquer um de nós, se destaca pela honestidade, pela ética, pelo caráter.

Xande, ocupa um cargo de confiança numa das maiores empresas de Pernambuco; Issa dirige uma empresa comercial de piscinas, que prima pelo respeito ao consumidor; Cáu, passou num concurso dos Correios, assumiu o cargo e, pouco depois, foi chamada para ocupar uma função administrativa no Banco do Brasil, da mais alta relevância, e só ocupada por quem merece inteira confiança; Dé, ocupa uma função de destaque nos Correios, que é uma empresa, reconhecidamente rigorosa em relação ao caráter dos seus funcionários, Ninha, exerce uma função de fiscal da Fazenda Pública, da mais alta relevância em nosso Estado, e que, não fosse pela honestidade inabalável, aprendida pelo seu exemplo, que você e mamãe nos deram, e a convivência com os valores morais, que vocês nos ensinaram, com certeza, estaria corrompida pela desonestidade, que infelizmente, reina hoje em nosso país; Toninho, ocupa um cargo de professor titular numa universidade pública, tendo já adquirido o grau de doutor; Cybèle, a caçula, como Cristina, seguiu a mesma carreira, e também, com honestidade e caráter incorruptível, se destaca, tendo agora no meio desse ano, colado o grau de bacharel em Direito, e honra a nossa família, fazendo dela uma família que não tem ovelhas negras. Finalmente, eu, o mais velho de uma família de 8 fllhos, já fui professor, sempre muito exigente, bem conceituado nos ambientes por onde passei, hoje, já estou aposentado por tempo de serviço. Concluí o curso de Direito, exerço a advocacia em um escritório junto com outros colegas.

Olha, papai, tudo isso, nós devemos a você e a mamãe!
Você nos criou a todos, com dedicação, zelo, amor. Nunca nos deixou faltar nada! Talvez até, não nos tenha dado o carinho na forma como alguns de nós precisasse, mas hoje, não tenho dúvidas, que todos alcançamos e compreendemos, que você nos deu muito carinho. E tudo isso, sem dúvida alguma, foi compensado pelas outras coisas boas que nos foram oferecidas.

E hoje, todos nós, reconhecemos, que você, é um homem de sucesso. Criou todos nós com todas as dificuldades da época, mas foi sempre como um jequitibá. Inabalável, forte, seguro. O abrigo certo. Enquanto mamãe, era a orquídea, que à sombra do jequitibá, florescia.

Nenhum de nós desgarrou, nenhum de nós, tornou-se ladrão, assassino, criminoso. Nenhum de nós edificou fortunas, mas temos um tesouro que é mais valioso que qualquer coisa – um pai maravilhoso!

Por tudo isso papai, receba os nossos parabéns. E, para finalizar, faço minhas, e de todos nós, as palavras que Cáu gostaria de dizer, parodiando Roberto Carlos: “Você, é meu amigo de fé, meu irmão, camarada!”

Alberto Valença Leal de Lima.

NOTAS

1. Discurso pronunciado em 24 de setembro de 2002, data natalícia do meu pai, Antonio Duarte de Lima. durante a missa celebrada em sua homenagem na Igreja Nossa Senhora de Fátima em Olinda - PE.
2. Hoje, se vivo fosse, ele estaria completando 96 anos. Em sua homenagem, posto aqui este discurso.

Publicado por Alberto Valença Lima
em 24/09/2018 às 15h20
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
24/09/2018 10h00
Crime e castigo (EC)

Que crime você cometeu? Ou será que ainda cometerá?

Em breve teremos eleições. Dia 07 de outubro os brasileiros escolherão seu governante para os próximos quetro anos. E você sabe que poderá cometer um crime de lesa-pátria, acaso faça uma má escolha?

Estamos no risco iminete de nos transformarmos em uma Venezuela. Sabia que se os brasileiros escolherem alguém da esquerda, qualquer um que seja, estaremos assinando nossa destruição como nação? Estaremos assinando um cheque em branco para bandidos sem escrúpulos e sem piedade, invadirem nossas casas, tomarem nossos bens, matarem quem disser uma palavra sequer fora do que eles determinarem que possa ser dito?

Pois é. Se escolhermos Ciro Gomes, Fernando Hadad ou Marina Silva, o PT voltará ao poder. E isso significa a destruição do país. Todos esses fazem parte da famosa arena Foro de São Paulo, uma conferência de partidos e políticos de esquerda que congrega o pior que existe da política mundial. Uma ameaça grave para o mundo. 

O castigo para este crime será a perda da liberdade. Isso significa a perda do direito de expressão, de ir e vir, de poder comprar o que quiser (se tiver condições) e de possuir qualquer bem, que poderá, a qualquer momento, ser confiscado pelo Estado. Você não terá mais direitos. Direito algum. Nem mesmo o de reclamar. Nem mesmo o direito à vida.

Será um castigo que ninguém esquecerá. E muitos pagarão este preço.

É isso que você quer?

 

*****

Este texto faz parte do Exercício Criativo - Crime e Castigo
Saiba mais, conheça os outros textos:
http://encantodasletras.50webs.com/crimeecastigo.htm

Publicado por Alberto Valença Lima
em 24/09/2018 às 10h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
21/09/2018 00h30
Texto de número 300

Gostaria de ter publicado isso há exatamente um ano. Infelizmente não o fiz. Faço-o agora na data do primeiro aniversário do acontecimento.

Postei hoje, com orgulho, o meu texto de número 300. Comemoro com você que me visita, esta marca que me deixa feliz. Em 21 de setembro de 2017, data que antecede o início da Primavera com mais de 57 mil leituras. Agradeço a você que me prestigia. 

Publicado por Alberto Valença Lima
em 21/09/2018 às 00h30
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
13/09/2018 11h49
Comemorando mais duas marcas

Postado o texto de número 666


Hoje (13/09/2018),  foi postado o texto de número 666 com uma marca de mais de 101 mil leituras. Há apenas 7 meses (09/fev), eu marcava a postagem do texto 333 com uma marca de pouco mais de 70 mil leituras (71.715). Em apenas 7 meses foi dupliado o número de textos publicados e houve um aumento de quase 50% do número d e leituras. 

Quero agradecer a você que me visita por alcançar este patamar. É uma honra par a mim ter, em menos de 5 anos de permanência aqui no RL, mais de 100 mil leituras.

Sou muito grato a você que me visita. Volte sempre. Não só é uma honra como um grande prazer receber aqui seus comentários. 


Um abraço poético.
(Vide notas após a figura abaixo que comprova as marcas atingidas)






















Notas:
Sobre esta marca 666 quero destacar duas coisas:
1. Há alguns meses, quando postei a notícia da marca 333 sendo atingida, um recantista, Arjofe, recomendou nos comentários, que eu tomasse cuidado quando atingisse a marca 666. Não entendi , na ocasião, por qual razão ele dizia isso e fui pesquisar.

2. Descobri que há na bíblia uma referência a este número que é considerado o número da besta. 
Pesquisei mais e descobri que este número está mencionado no Apocalipse, onde é recomendado por João, que foi o autor deste texto, para quem for inteligente, decifrar este número, ou algo parecido. E que ele é atribuído a um homem.
Ao decifrar o número 666 descobre-se que este homem é Nero César, o sétimo imperador de Roma. E por que a besta?
Bem, a besta é porque a desgraça, estaria associada a uma monstro de sete cabeças (a besta) que seriam justamente, os sete imperadores de Roma.
Ora, pura besteira. O número 666 é um número como outro qualquer. E festejo sua marca nesta data.

A próxima comemoração será quando chegar no texto 999 ou seja, no texto 1000.  Mas com a atual comemoração, que divido com você, meu mais efusivo agradecimento a você que me visita.

 

M U I T O   G R A T O ! ! !


 

Publicado por Alberto Valença Lima
em 13/09/2018 às 11h49
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Página 7 de 11
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 »
Caminhos de mim R$10,00
Caminhos de mim (Poesia) R$38,50
Poetrix - Antologia 6 - 20 anos R$29,50
Germinando palavras colhendo poesias - Ser po... R$23,50
Poesia, Palavra é Arte R$30,00
Musas de um Recanto com Letras, Flores e Poes... R$10,00
Germinando palavras colhendo poesias - Ser po... R$28,50
UBE - 60 ANOS R$20,00
Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneo... R$35,00
Os mais belos poemas de amor - Edição especia... 40,00
Antologia "Poesias sem fronteiras" (Esgotado) R$20,00